Empreendedorismo rural: por que investir no campo

Atualizado: 7 de Ago de 2019

Investir no campo, a princípio pode não parecer muito atrativo. Em um primeiro momento pode se pensar: preciso de longas extensões de terra e investimento para ter lucro.


Mas, o setor rural evoluiu muito nos últimos anos, devido a tecnologia, estudo de novas técnicas e até a industrialização das produções. Dessa forma, você não precisa de vários hectares de terra, para investir no campo e claro, ter seu lucro com esta atividade.


Além disso, de acordo com dados levantado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a atividade rural é a principal em 57,3% das cidades brasileiras. Isso mostra que o empreendedorismo rural está muito ligado à agricultura familiar e tem grande potencial de desenvolvimento.


Muitos trabalhadores têm encontrado no campo, a oportunidade de empreender e desenvolver novos negócios, a partir do plantio, cultivo e industrialização de seus produtos.


Ao mesmo tempo, encontram formas menos burocráticas de formalização e também linhas de crédito atrativas para se desenvolver.


Neste post, vamos te ajudar a entender o que é empreendedorismo rural e porque essa pode ser uma boa opção de investimento. Confira!




O que é empreendedorismo rural?

Empreender é ter disposição ou a capacidade de criar, organizar e realizar projetos, produtos, serviços e negócios. Resumindo, empreender é de forma planejada, colocar um projeto que muitas vezes é pessoal, em prática.


O empreendedorismo rural tem esse mesmo objetivo, mas com ações voltadas para o campo. É onde o empreendedor identifica oportunidades, problemas e cria soluções para a sociedade.

Sendo assim, o empreendedor rural pode trabalhar em várias frentes, como:

  • Apenas produzindo e vendendo seus produtos ou serviços;

  • Prestando consultoria;

  • Desenvolvendo tecnologias voltadas para o campo.

Atualmente, muitos produtores têm procurado por qualificações, cursos, faculdades, para melhorar suas técnicas no meio rural. Além disso, buscam suporte para administrar melhor suas propriedades e fazer com que seu negócio expanda.

Dessa forma, podemos dizer que o empreendedorismo rural está muito ligado ao pequeno produtor, ou mesmo às pessoas que saem da cidade grande e buscam investir na atividade.


Formalização dos produtores rurais


No Brasil, existem mais de 17 milhões de trabalhadores rurais que vivem na informalidade. Esse é um dado levantado pelo Projeto Crescer sem Medo.


Este projeto, diz respeito a Lei Complementar nº 155/2016, que tem alterações em relação aos pequenos negócios e seu enquadramento no Simples Nacional.


A partir de janeiro de 2018, quem atua com:

  • Indústrias;

  • Comércio ou prestação de serviços;

  • Pesca;

  • Apicultura;

  • Aquicultura;

  • Avicultura;

  • Cunicultura;

  • Produção agrícola, animal ou extrativa vegetal

Pode se formalizar como Microempreendedor Individual (MEI). A atividade rural já constava na Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, mas somente nas categorias de microempresa e empresa de pequeno porte.


Mas, agora, os produtores que faturam até R$ 81 mil por ano podem se enquadrar como MEI e formalizar o seu negócio.


O que muda com a chegada do MEI?

O MEI na atividade rural veio para beneficiar e dar apoio ao pequeno produtor ou a quem tem o interesse em investir em alguma atividade no campo.


Com um CNPJ, se tem mais facilidade em abrir conta bancária, é possível participar de licitações, emitir notas fiscais e ainda ter benefícios como salário maternidade, aposentadoria e auxílio doença.


Mas, além disso, com a formalização da empresa, o produtor passa a ter acesso mais facilitado a crédito. O setor rural sempre possuiu empréstimos e taxas muito mais competitivas, além de prazos maiores de pagamento.


Assim, se tornou uma boa opção para que produtores rurais investissem em seus produtos, lavouras, pastos, assim como em especializações.


Ao mesmo tempo, como MEI, o pagamento de tributos ao governo é feito de forma única, mensal, e com uma taxa muito pequena. Sendo assim, com a formalização e acesso a crédito, o negócio no campo tem muito mais chances de ser lucrativo.


Programas de incentivo

Em cada estado e município, existem programas diferenciados de apoio ao produtor rural.


São ações que ajudam tanto em especializações, quanto em consultorias estratégicas de como empreender na região e usar o potencial da sua produção para ter sucesso.


No Rio de Janeiro, um desses programas é o Senar-RJ, que é o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Ele tem como objetivo profissionalizar e desenvolver as pessoas no meio rural. Assim, ajudam na melhora da qualidade de vida e desenvolvimento sustentável do estado.


Em mais de 20 anos de atuação em várias federações, foram mais de 10 mil formações profissionais e capacitação de cerca de 175 mil produtores.


No programa Empreendedor Rural, eles ajudam o produtor a diagnosticar, planejar, criar estratégias, estudos de mercado, projetos e avaliações. Assim, dão suporte prático para os produtores, promovendo o sucesso de seu negócio.


Outro órgão que pode ajudar muito em capacitação e direcionamento relacionados ao empreendedorismo rural, é o Sebrae.


Oportunidades de investimento no campo

Existem diversas opções de investimento no campo, que podem ser muito rentáveis se bem trabalhadas.


Em cidades turísticas, o público que procura pelo ecoturismo, turismo rural, por exemplo, busca por experiências. Dessa forma, muitos produtores viram aí, a oportunidade de oferecer seus produtos e ainda participar de forma muito construtiva na experiência do turista durante sua estadia.


Muitos deles, criaram espaços em suas casas ou mesmo terras, com quartos ou

que oferecem pesque-pagues, trilhas, passeios à cavalo, etc. Além disso, a alimentação é toda pensada e feita com produtos do próprio local, com pratos típicos da região.

Isso faz com que o turista se sinta parte do lugar, tenha maior contato com a vida no interior e ainda agregue conhecimento sobre o que é típico em determinadas regiões. É uma boa opção de negócio, já que as pessoas têm procurado lugares mais tranquilos para suas férias.


Existem também locais, que arrendam espaços para a produção, seja de lavouras, apicultura ou mesmo laticínios. Dessa forma, não é preciso investir em estrutura, mas na produção, venda e distribuição do produto. Isso traz muito mais agilidade ao empreendedor, assim como maior retorno financeiro.


O comércio de produtos rurais orgânicos também é um excelente nicho. Com os incentivos do governo, formalização do negócio e cartas de crédito, você pode estruturar um negócio para a venda de produtos como geleias, doces, leite, carne, queijo, verduras, legumes e muito mais.


Muitos mercados, armazéns, fresh markets e até escolas têm buscado convênios com produtores rurais que têm certificação orgânica, para a compra de produtos para revenda. No mercado, há uma alta procura por orgânicos, devido a busca por uma vida mais saudável das pessoas e essa pode ser uma boa opção de investimento.


E aí, entendeu o que é empreendedorismo rural e como ele pode ser uma boa opção de investimento? Espero ter ajudado :D

Estrada Coronel Cardosos s/n°

Conservatória/Valença- Rio de Janeiro

Siga-nos

 

  • Face Fazenda São Fernando
  • Instagram FSF
  • apple-touch-icon
  • @fazsao_fernando
  • Branca Ícone LinkedIn

Menu

Receba as nossas novidades

  • Facebook FSF
  • Instagram FSF
  • @fazsao_fernando
  • Branca Ícone LinkedIn